16 de dezembro de 2006

For all

Um dos estudos mais interessantes que alguém interessado na Língua pode fazer é a etimologia, ou seja, o estudo da origem das palavras. Saber de onde vêm as palavras, qual sua significação original e por que transformações elas passaram ao longo dos tempos é tão excitante quanto útil no dia a dia. Por exemplo, por que a palavra obsessão é com "s" e obcecado é com "c"? Porque se originam de palavras diferentes. Obcecado vem de "cegar" (em latim, caecare ou obcaecare), portanto designa alguém que está cego ou cegado (por um desejo muito forte, por exemplo). O substantivo correspondente é obcecação. A palavra obsessão vem do latim obsessio, onis, que significa assédio, cerco, bloqueio ou ação de sitiar. O verbo mais próximo é obsedar, que vem do francês obséder e do latim obsidere, com a mesma significação de cercar, importunar, assediar. Daí obsessivo.
Um dos melhores dicionários para estudo etimológico é o Houaiss (que se pronuncia "uais", e não "rouêis"). Além da origem, ele traz a datação, ou seja, a data em que tal palavra foi primeiramente registrada.
Agora, eu me divirto mesmo é com o pessoal que inventa etimologia. Sobre isso, leia-se um ótimo artigo de Mário Perini, "Etimologia popular: falsos parentes", no livro A língua do Brasil amanhã e outros mistérios, da editora Parábola. Aos exemplos que ele traz acrescento alguns outros que já cansei de ouvir. Para começar, acho que quase todo o mundo já ouviu alguém explicar que "forró" vem do inglês for all, para todos. É claro, todo o mundo sabe que, pouco depois de inventarem o futebol, os ingleses inventaram uma dança para distrair depois do chá, em que os britânicos esqueciam sua tradicional discrição e saíam rodopiando pelos salões da nobreza, ao som da sanfona. Ora, fala sério, até quem é mais bobinho desconfia. Forró é redução de forrobodó, palavra brasileiríssima, de origem na língua portuguesa. O Houaiss ainda explica que essa palavra tem parentesco com o francês faux-bourdon. Está lá, é só abrir e ler.
Outra curiosidade são os textos que explicam as origens de determinadas expressões idiomáticas. Há muitos dicionários e pouca fidedignidade no que se diz. Por exemplo, a expressão "feito nas coxas" (malfeito, feito de qualquer jeito) tem várias explicações. Uma vez li que ela vinha do tempo dos escravos, que fabricavam telhas usando como molde as próprias coxas. Como cada um tinha a respectiva de um tamanho, o telhado acabava todo torto. Ou seja, feito nas coxas. Outra vez li que vem do tempo dos cavaleiros, que trocavam mensagens durante suas viagens e, para não perder tempo desmontando, as escreviam apoiadas na coxa, o que resultava numa porcaria, claro. Não acredito em nenhuma das duas. Mas me divirto lendo as explicações. Dessa e de várias outras.

Bom, é isso. Quem souber ou quiser saber de outras, deixa o recado aí.
Até!

7 comentários:

Tiago Silva Al. disse...

Luís, a idéia do "for all" é que assim os nordestinos escreviam à frente dos forrós, durante a segunda guerra mundial, para avisar aos soldados americanos que estavam no Nordeste que eles poderiam participar da festa.
Há um filme brasileiro chamado For All, mas não sei se trata de algo semelhante.

Anônimo disse...

Já ouvi outra versão para "nas coxas": seria referência ao coito interrompido, o popular "gozar nas coxas"...

Luis disse...

É, acho difícil acreditar nessa versão... Mas vai saber.

Helena Frenzel disse...

Olá, esta postagem é antiga, mas minha dúvida é atual. Não vivo no Brasil, daí uma grande dificuldade em encontrar material confiável e de qualidade sobre questões da língua portuguesa brasileira. Encontrei num dicionário online a forma 'obsedado, mas desconfiei. Na versão mini do Houaiss que trouxe na bagagem apresenta 'obsedar' e 'obsedante' relativos a 'obsessão'. Existe no português formal atual a forma 'obsedado' ao invés de 'obcecado' referente a 'obsessão'? Ou, obcecado é o correto mesmo? Se puder ajudar-me a encontrar uma resposta para esta questão, muito grata. P.S.: Publiquei uma postagem com esta dúvida sob o título 'A palavra duvidosa é... (crônica) no meu blog Bluemaedel.

Luis disse...

Olá, Helena.

É um prazer recebê-la aqui no blogue, apesar de eu não o atualizar há séculos. Quanto à sua dúvida: há duas palavras: "obcecar", derivada da mesma palavra latina que dá origem a "cegar", e "obsedar", derivada de outra palavra que tem a ver com a ideia de oposição, obstáculo e significa, segundo o Houaiss, importunar incessantemente, ou obsediar, assediar. De "obcecar" provêm "obcecado" e "obcecação"; de "obsedar" derivam "obsessão", "obsedante", "obsessivo" e "obsedado", entre outras palavras.
Há vários casos de palavras semelhantes que, no entanto, têm pais diferentes no latim. Ao contrário, há palavras que, derivadas da mesma raiz latina, assumem grafias diferentes, como "empecilho" e "impedir" (que não vêm na verdade da mesmíssima palavra, mas de palavras muito próximas no latim) ou "pleno" e "cheio", que derivam da mesma palavra.
É isso, espero ter ajudado. Uma sugestão para material de consulta confiável: há versão do Houaiss digital, será que você consegue comprar aí onde mora? Se não, há o Aurélio, que tem versão inclusive para iPads e iPhones.
Se nada disso funcionar, uma ferramenta online ótima: http://www.portaldalinguaportuguesa.org.

Abraço!

Helena Frenzel disse...

Muito obrigada, Luis! Se não se importa, reproduzirei seu comentário junto ao meu texto, de modo a esclarecer quem, por ventura, tenha tido a mesma dúvida. Grata pelas sugestões do site e dicionários. Um abraço fraterno!

Luis disse...

Helena, não me importo nem um pouco. Pode reproduzir o comentário. Abraço e volte sempre.